O CASAMENTO DE YEMONJA E ODÉ INLE (ERINLÉ)


Yemonja havia se separado de Orisa Oke, e por isso voltara ao Oceano onde vivia sua mãe Olokun.

Desde a separação ela havia perdido a paz, as marés eram imprevisíveis, as ondas começaram a engolir a terra, o mar estava enlouquecido, a fúria de Yemonja ia em direção a montanha de Oke.
Yemonja estava no fundo dos mares e finalmente tinha tempo para fazer o que quisesse, ela agora vivia em paz, algo que há muito tempo não vivia, pois na terra ela tinha crianças correndo pelo reino e seus deveres de Rainha e exigências do marido.

Yemonja tinha amadurecido, mas ela ainda era bonita e sensual, apesar dos anos que se passaram ninguém poderia competir com a beleza dela, nem mesmo Osun. 
Certa manhã enquanto nadava no mar, ela teve um vislumbre de movimento que chamou sua atenção.
Ele era um homem bonito e não era outro senão Erinlé da cidade de Ilobú, também chamado de Odé Inle. 
Inle estava fazendo sua pesca normal. Inle tinha toda a sua atenção de sua pesca quando de repente, ele foi surpreendido por uma bela mulher, e foi amor a primeira vista.
Ele não conseguia explicar, e pensou até estar sonhando, até que a voz da linda sereia falou com ele dizendo:

"Eu sou Yemonja, dona deste reino no qual você  pesca. Eu é que forneço os peixes que vem para o seu gancho. Todo esse reino de água que você pode ver é imensamente grande e é meu."

Yemonja confessou a Inle que, embora ela comandasse o vasto reino dos mares, ela se sentia solitária. 
Sem hesitar Inle ofereceu para lhe fazer companhia em seus tempos de solidão.
Yemonja podia ver que Inle estava apaixonado por ela, e então explicou que estava à procura de um marido e Inle aceitou imediatamente ser o par de Yemonja. 
Ele não se importava com dinheiro ou riquezas, ele havia sido encantado pela beleza dela a partir do momento que ele a viu.

Yemonja o levou para o fundo do mar.
Esta foi a primeira vez Yemonja permitiu alguém saber seus segredos escondidos nas águas.
Eles chegaram a uma grande caverna onde muitas espécies da vida marinha guardavam a porta como guardas de um palácio, e esta caverna foi o "Ilê" de Yemonja e Inle.

Inle ficou maravilhado ao ver que quando os peixes notavam a  presença da Rainha, eles se movimentavam como se estivessem  em "Moforibalé" (batendo cabeça) para grande Yemonja que era a sua mãe e criadora. 
Entrando na caverna, Inle foi surpreendido, ninguém podia
de imaginar as riquezas que haviam la dentro, tesouros incomensuráveis
​​em toda parte.

Eles se amaram, mas não por muito tempo. Um caso de amor tórrido tende a se desgastar rápido.  
Os  tempo passou e as coisas mudaram. Yemonja começou a ignorar Inle e evitar sua presença. 
A situação tornou-se intolerável para Inle. Ele só queria atenção de Yemonja. mas ela não quis ouvir suas queixas e não se importou com o coração dele.

Inle decidiu ir embora.

Yemonja se viu em um dilema quando ele quis partir.
Ela não sabia o que fazer. Ela tinha medo que ele contasse seus segredos e mistérios para os outros Orisá. 
A única opção era matar Inle.
Mas ela não queria matar ele.

Ela então decide por cortar a língua dele.
Ela esperou que ele estivesse adormecido, o enfeitiçou e sem pensar duas vezes ela corta a língua de Ode Inle.
Desta forma, ele continuaria vivo e não seria capaz de dizer a seus segredos para ninguém.

Até hoje Inle não fala, e é Yemonja que fala por ele.

ARÁ UNSÉ ODE INLE!
ERUYA YEMOJA!

Nenhum comentário: