IROKO.


IROKO SOBREVIVE A GUERRA ENTRE ORUN E AYÊ ONILÉ.


Antes de existirem as grandes aldeias, a árvore Iroko já existia.
No início dos tempos, o Orun (céu) e o Aye (terra) tiveram uma discussão. Ayê argumentou que ela era mais velha e mais poderosa do que seu irmão, o Orun e se pronunciou:

"Eu sou a base de tudo. Sem mim, o céu de Orun seria esmagado porque não teria apoio. Eu construí todos os seres vivos. Eu sou a mãe que os  alimenta e sustenta. Eu sou a dona de tudo. Tudo o que tem vida vem de mim e volta para mim. Meu poder não tem limites. "

Olodumaré, o grande Deus ouviu aquelas palavras mas não respondeu. Fez então um sinal para o Orun, o liberando para demonstrar um sinal grave de sua força.

Orun então gritou: "
"Ayê Onilé aprenderá uma lição, seu castigo será tão forte quanto sua arrogância e seu orgulho."

A árvore Iroko estava preocupado com as consequências daquela batalha e começou a meditar no profundo silêncio que se seguiu após o céu se calar.
Iroko tinha suas raízes profundamente enterradas em Ayê Onilé, mas seus longos galhos se estendiam para abraçar o céu. Iroko havia entendido que a harmonia tinha desaparecido e que o mundo sofreria as dores do desaparecimento da paz.

Orun sempre  protegeu Ayê, ele moderava o calor dividindo o tempo em dia e noite, ele secava a terra com o sol, depois a molhava como a chuva e a repousava com a lua, sempre dosando o frio e o calor, o vento e a brisa. Tudo que Orun fazia trazia benefícios para Ayê Onilé.

Antes dessa guerra a vida era feliz e a morte vinha sem dor. Tudo pertencia a todos e ninguém queria governar ou dividir, conquistar ou reivindicar quaisquer posições. 
Mas a indisposição da terra para com o céu mudou tudo.

Orun parou de ajudar Ayê.
Não choveu, o sol sem piedade queimou tudo e a lua não mais trouxe  luz para a noite. Isso começou o tempo de sofrimento e feiura sobre o terra. 
A Noite de angústia e medo apareceu. Então todas as formas de miséria, seguido. Toda a vegetação desapareceu e só Iroko permaneceu verde e saudável, porque desde tempos imemoriais ele tinha permanecido reverente e dado graças ao céu.
Iroko deu instruções para aqueles que querem descobrir os segredos e os Arayê (humanos) se reuniram em suas raízes, em seguida, eles reconheceram a magnitude das suas ofensas e se sentiram humilhados e se purificaram no pé da árvore Sagrada. 
Iroko ensinou a rezar e fazer sacrifícios para o Orun e para Olodumaré.
Muitos mensageiros foram enviados para o céu, mas ninguém jamais poderia alcançá-lo, apenas os galhos de Iroko tocavam Orun e ele então poderia transmitir as orações das pessoas para o céu. 
Vendo a contrição dos homens e mulheres em reconhecer o seu valor, Orun estava emocionado e agradecido e então chuva voltou a cair sobre a terra.

O que permaneceu vivo sobre a terra foi salvo graças ao abrigo oferecido por Iroko. E então tudo ficou verde novamente. 
No entanto, não havia mais paz e felicidade plena como no início do mundo. 
O Orun não estava mais magoado mas manteve-se indiferente e distante. 
Iroko salvou a terra, mas a vida não é mais plenamente feliz por causa da culpa de orgulho de Ayê Onilé.

Eró Iroko!
Rei das Árvore e dos homens!

Toda a memória e sabedoria do mundo está em Iroko.
Ele tudo viu, ele tudo ouviu e de tudo ele é testemunha.

Nenhum comentário: