O CASO AMOROSO DE OSUN E OYÁ.


Sim é um itan HOMOAFETIVO, muitos não aceitam e não acreditam, mas não me importo. Assim como me passaram, eu passarei a diante.
Eu vou contar ele da maneira que ouvi.

Osun todos os dias ia ao rio encher sua talha com água. Um dia Osun viu uma mulher de roupas vermelhas na porta de um casebre, era Oyá. 
Oyá era linda e graciosa e então Osun decidiu conquistar ela para si.

Todos os dias Osun passava por ali com sua quartinha de água na cabeça e ao se aproximar de Oyá ela cantava e rebolava os quadris se insinuando. Oyá a principio não entendeu, mas logo se deixou levar.
Oyá e Osun se tornaram amantes.

Mas um dia Osun foi atrás de uma nova conquista e Oyá muito enciumada tentou castigar Osun, mas ela fugiu de Oyá e entrou dentro do rio e de la não saiu até hoje.

Osun e Oyá sempre estão próximas.

Asé!

Este Itan revela um caso entre duas Yabás, duas mulheres. Há um certo repúdio por lendas assim como esta, pelo povo de santo. Ha também aquela lenda onde Logun é violentado, itan que Sango tenta forçar Oxumarê a fazer sexo com ele, o itan de Oxóssi e Osayn na floresta...
As pessoas pensam que Itan é um conto de fadas, mas os Orisás foram humanos e estavam sujeitos a sentimento  humano, os que olham torto e dizem que "jamais" isso foi verdade, é porque cultua "Santos" e não Orisás.

Asé!


Um comentário:

Monaliza Deodato Deodato disse...

Verdade. Orixás viveram como nós. E existe sim relações homoafetivas e até paixoes entre irmãos. Como nanã e oxalá...entre mãe e filho...yemanjá e ogum.