PALHA DA COSTA(ÌKO).


Palha da costa é a fibra de ráfia, conhecida como ÌKO no Candomblé.
Extraída de uma palmeira chamada IGÍ-ÒGÒRÒ pelo povo africano. No Brasil recebe o nome de JUPATI, cujo nome científico é RAPHIA VINIFERA.

No Candomblé representa a eternidade e transcendência, como prova da imortalidade e reencarnação, utilizada na confecção das roupas dos Orisás, em especial OBALUAYÊ e também em adereços de vários outros Orisás como OGUN, OYÁ, EWÁ, OBÁ, NANÃ, IRÔKO, OSAYN, sendo radicalmente pertencente aos Orisás da Terra(Família UNGÍ, KAREJEBÉ).

Seu uso é indispensável na iniciação, no sentido de proteger o Yawô.

É também usada como a "bucha do Yawô", juntamente com o sabão da costa, em seus banhos de asseio e espirituais, dentro do período da feitura. Assim como em OSÉS nos IGBÁS.

Esta mesma palha trançada em espessura de um dedo mindinho e comprimento de um metro, chama-se IKAN, popularmente chamado de CONTRA-EGUN pelos leigos e até mesmo pelo povo de santo. 
Geralmente amarrado nos braços e cinturas(UMBIGUEIRA) dos iniciados e tambem no preparo de MOKAN(colar de palha).

Popularmente é muito utilizada como banhos de descarregos, pois serve para descarregar, purificar e fortalecer as pessoas dentro do ASÉ.


Um dia em uma festa, onde Oyá a grande deusa dos ventos era homenageada e todos se divertiam e dançavam, Omolú reparou em uma linda mulher que dançava graciosamente, fazendo movimentos sensuais e que ao vê-lo de longe, se encantou por ele e indo até ele o convidou a dançar.

Omolú sem saber como reagir, tomou o caminho da mata. Nesse momento Ogun seu irmão ao perceber o que estava acontecendo, correu mata à dentro e confeccionou um capuz com a palha encontrada na mata e fez Omolú colocá-lo.

Se sentindo seguro por ter o rosto coberto, Omolú se aproximou de Oyá que o havia convidado para dançar e dançou junto com ela e ao verem como ele dançava muito bem os presentes se aproximavam para saber quem era aquele jovem que se escondia atrás daquele capuz de palha (azê).

Oyá conseguiu que ele mostrasse o rosto sob as palhas.
Provocou um grande vento e o azê foi levantado.
Ficou surpresa por que o rosto de Obaluayê era belíssimo. Obaluayê gosta muito de Oyá.
















Nenhum comentário: